Você nunca mais vai roer unhas depois de saber isso aqui.

Todo mundo conhece alguém que é viciado em roer unhas. E todo mundo de certo já ouviu dessas mesmas pessoas que o ato é inofensivo.

PUBLICIDADE

Bom não é bem por ai. Esse vício está ligado a estresses e nervosismo. O surgimento desse hábito normalmente surge na infância, nessa fase a ansiedade é algo incontrolável. Existem casos de pessoas que recorreram a ajuda de remédios antidepressivos para poder cessar com o vício, mas deve-se ter cuidado com os diversos efeitos colaterais.

Há quem busque uma maneira de fugir dos problemas comendo e outros fazendo compras, mas sempre existirão os que fogem roendo as próprias unhas. Mas existe um tremendo risco á saúde ao alimentar esse vício.

Descubra agora, quais são os problemas que podem ser causados por roer unhas.

Você sabe o que leva a pessoa a roer unhas?

Faça um teste perguntando se a pessoa tem o hábito de roer as unhas. A pessoa pode responder com ‘sim, não ou só quando estou muito estressado’. 

PUBLICIDADE

Esse é um teste feito por especialistas que visam detectar a causa de tanta ansiedade nas crianças, e procura uma maneira de ajudá-las. A necessidade de saber quais momentos do dia que seu filho está buscando as unhas, é um bom jeito de descobrir o que pode estar vindo o afligir. E se a mania parte de um adulto, a dica é manter as unhas sempre bem cuidadas, indiferente se é homem ou mulher.

Quais são os riscos que o vício pode trazer para a saúde?

  • Contaminação por bactérias e vermes;
  • Encravamento;
  • Risco de perder toda a unha;
  • Deformidades nos dedos
  • Infecções

O simples ato de levar os dedos á boca, podem criar um ambiente perfeito para a proliferação de bactérias ou fungos. Muito além, ao arrancarmos a unha, podemos causar ferimentos nas cutículas que podem infeccionar. Dependendo da gravidade da infecção, pode-se facilmente ter que arrancar a unha e ter que fazer algum tipo de tratamento com antibióticos e antimicóticos. 

Então leve aquela velha frase a letra “melhor prevenir do que remediar”.

 

PUBLICIDADE